17 de setembro de 2011

Em busca de mim

Mais cedo ou mais tarde esse dia chega, às vezes trazendo sol, na maioria das vezes, trazendo nuvens e muita chuva.
Eu peguei esse dia com chuva. E frio. E apesar de gostar do frio, esse dia chegou frio demais.
Acho que eu estava à espera desse dia. Eu já sabia sim, que mais cedo ou mais tarde, ele chegaria. E chegou.
Eu estava em casa, sentada no sofá, com um livro na mão. A janela estava em minha frente, e por ela adentrava no quarto aquele frio. Fui pega. A solidão já estava há muito tempo. Acho que esperando, assim como eu, esse dia. Não fiquei tão surpresa, só não saiba que daria assim tanto trabalho.
Meus olhos estavam atentos naquele livro, mas quando o frio tocou minha pele, eu olhei pra chuva e já tinha a certeza de que alguma coisa mudava dentro de mim. Na hora o medo não apareceu, a solidão o expulsou; ainda bem, porque já bastava ela ali.
Na semana que se seguiu, por mais incrível e mais ridículo que possa ser, todos os dias choveram. E aquele sentimento em mim, aumentava. A solidão deu espaço ao medo, ele por sua vez parece que quis rir de mim e chamou a confusão e a insegurança, e as duas foram minha companhia durante um tempo. Percorrendo meu interior me fizeram as mais descabidas perguntas e eu procurava respostas, em vão.
Até que um dia o sol apareceu por entre as nuvens. Achei aquilo estranho. Não o via fazia tempo, nem sabia mais (quase) como era o seu calor. Isso me fez bem, a insegurança foi embora e a confusão se preparava para ir também.
E à noite, as estrelas apareceram também. Fiquei feliz, pela primeira vez depois desses dias todos, fiquei feliz. A minha estrela maior estava lá me aguardando. E minha outra estrelinha aqui na terra me ajudou a afastar de vez a confusão.
E depois de tanto pensar eu pude dar as respostas para as duas. Eu aprendi muita coisa durante a minha vida. Nada do que eu fiz não valeu. Eu conheci pessoas, pessoas maravilhosas diga-se de passagem. Eu mudei vidas (pode der sido pra pior, mas pelo menos, fiz alguma coisa). Eu proporcionei sorrisos aos corações de muita gente, e sorri também. Eu vivi muita coisa.
Eu vivi sim! E como me disseram, o máximo que pode acontecer é perceber que tudo o que eu já aprendi, não é o suficiente. Mas aí é só eu buscar mais. 
Eu aprendi com a minha estrela que nunca se perde o tempo. Nunca.
Depois de refletir, voltei a olha-las. Todas. E percebi que mesmo estando sozinha, a solidão não estava aqui. Nem ela, nem o medo, nem a confusão. E fiquei rindo. E as estrelas riram comigo.
Percebi, então, depois desta busca de mim, que não há motivos para alimentar os vazios que ficam aqui dentro. Já que eles são e estão vazios, deixe-os assim. Alimente-se de alegrias, sonhos e paixões e aí não terá mais espaço para esse vazio. Viva intensamente, aliás, continue vivendo intensamente. Ninguém é perfeito nem tem uma vida perfeita, mas a felicidade já basta.

Fui dormir feliz. Fui dormir com respostas a mim mesma. Me encontrei.

2 comentários:

Lisa disse...

Se descobrir é um importante passo.
É ser feliz, é ver a vida colorida, é saber amar, é saber viver...
Parabéns, vc fez uma grande descoberta!

Viva nós! Viva a felicidade! :)

Edione Mercês disse...

Fui dormir feliz!Que lindo!

Ocorreu um erro neste gadget